segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

O amor por Elisa Lucinda




Sempre quis um amor
que falasse
que soubesse o que sentisse.

Sempre quis uma amor que elaborasse
Que quando dormisse
ressonasse confiança
no sopro do sono
e trouxesse beijo
no clarão da amanhecice.

Sempre quis um amor
que coubesse no que me disse.

Sempre quis uma meninice
entre menino e senhor
uma cachorrice
onde tanto pudesse a sem-vergonhice
do macho
quanto a sabedoria do sabedor.

Sempre quis um amor cujo
BOM DIA!
morasse na eternidade de encadear os tempos:
passado presente futuro
coisa da mesma embocadura
sabor da mesma golada.

Sempre quis um amor de goleadas
cuja rede complexa
do pano de fundo dos seres
não assustasse.

Sempre quis um amor
que não se incomodasse
quando a poesia da cama me levasse.

Sempre quis uma amor
que não se chateasse
diante das diferenças.

Agora, diante da encomenda
metade de mim rasga afoita
o embrulho
e a outra metade é o
futuro de saber o segredo
que enrola o laço,

é observar
o desenho
do invólucro e compará-lo
com a calma da alma
o seu conteúdo.

Contudo
sempre quis um amor
que me coubesse futuro
e me alternasse em menina e adulto
que ora eu fosse o fácil, o sério
e ora um doce mistério
que ora eu fosse medo-asneira
e ora eu fosse brincadeira
ultra-sonografia do furor,
sempre quis um amor
que sem tensa-corrida-de ocorresse.

Sempre quis um amor
que acontecesse
sem esforço
sem medo da inspiração
por ele acabar.

Sempre quis um amor
de abafar,(não o caso)
mas cuja demora de ocaso
estivesse imensamente
nas nossas mãos.

Sem senãos.

Sempre quis um amor
com definição de quero
sem o lero-lero da falsa sedução.
Eu sempre disse não
à constituição dos séculos
que diz que o "garantido" amor
é a sua negação.

Sempre quis um amor
que gozasse
e que pouco antes
de chegar a esse céu
se anunciasse.

Sempre quis um amor
que vivesse a felicidade
sem reclamar dela ou disso.

Sempre quis um amor não omisso
e que suas estórias me contasse.

Ah, eu sempre quis um amor que amasse.
( Elisa Lucinda)

Próximo a chegada do ano novo..
Desejo que todos aqueles que aqui visitam esse blog..
De uma certa maneira deixe de viver o amor por encomenda.
Que ele saia do plano dos desejos e seja real na vida de vcs.
Assim como é na minha vida. Viver o amor é simples..
Basta saber Amar.

Beijos com carinho

Deusa

3 comentários:

{Λїŧą}_ŞŦ disse...

Querida Deusa,

não há coisa mais linda que presentear amor.
Agradeço de coração a parte que me toca no presente e desejo a vocês mais amor ainda, se for possível, embrulhado nos mais lindos pacotes, cheios de cores e recheados de surpresas.
Sempre bom demais vir te ler aqui.
Fique com meu beijo.

Kleiton - Simplesmente Ser disse...

Sempre quis uma meninice
entre menino e senhor
uma cachorrice
onde tanto pudesse a sem-vergonhice
do macho
quanto a sabedoria do sabedor.

Acho que sou um pouco de tudo né amor, nada como amar e ser amado sem perder sua essencia, poder ser o que é ao lado da pessoa amada é antes de tudo viver um amor sem omissão ou meias verdades.

É muito bom poder amar assim.

te amo seu marido, seu cachorro seu menino, seu senhor, seu puto.

bjs

{Amar Yasmine}_DEXPEX disse...

Poderosa Afrodite! miDeusAmada!

Há tempos me ocorreu a idéia de criar um blog onde todas as amigas escravas e submissas pudessem postar.

Pensei, pensei e resolvi dar corpo à idéia. O blog está finalmente criado. Sei que vc não é tão somente uma escrava submissa, mesmo assim, quero muito contar com a sua presença lá.

Se for da sua vontade participar, o que será um prazer e uma honra para todas nós, basta que me escreva em:
amar.yasmine@gmail.com
e eu passarei o login e a senha pra que use o espaço.

O primeiro post foi da {Vita}_ST e está muito lindo, venha também, miDeusAmada.

Só pedimos que sempre que for postar dê um espaço de 2 dias após a última publicação que é pra dar tempo das pessoas lerem e comentarem.


O endereço do blog é:
http://escravasesubmissas.blogspot.com

Espero que venha e participe. Estou ansiosa pela sua presença.

Doces besos!


{Amar Yasmine}_DEXPEX